"A todos os amigos e visitantes de passagem por esse meu mundo a preto e branco lhes desejo um bom entretenimento, seja através de textos com alto teor poético, através de fotos que uso para compor esse espaço ou das notas musicais na voz de Nara Leão... que nem vejam passar o tempo e que voltem nem que seja por um momento!"

4 de mar de 2011


A uma bailarina

Fecho os olhos e a vejo ondulante
Como um salgueiro ao vento, fina e leve,
Lá se vai! Deixa apenas, flutuante,
A lembrança de um véu de “tule” e neve…

Demorou-se tão pouco! Um curto instante!
Um curto instante, tão fugaz, tão breve!
Quem sabe, além, num palco mais distante,
Outro poema de ritmos descreve?

Mas fica eternamente nos meus sonhos;
Vejo-a de olhos brilhantes e risonhos
Que nas asas do vento a cena corta. –

Impalpável… Comparo-a a luz e à espuma,
E a julgo, vendo-a leve como pluma,
A alma, talvez, de uma falena morta!

Maria Thereza de Andrade Cunha

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Não creias nos meus retratos, nenhum deles me revela.
Os meus retratos são vários e neles não terás nunca o meu rosto de poesia.

Gilka Machado