"A todos os amigos e visitantes de passagem por esse meu mundo a preto e branco lhes desejo um bom entretenimento, seja através de textos com alto teor poético, através de fotos que uso para compor esse espaço ou das notas musicais na voz de Nara Leão... que nem vejam passar o tempo e que voltem nem que seja por um momento!"

25 de out de 2011




Circo clandestino

Às vezes eu virava
a primeira bailarina,
e dançar debaixo da lona
com sapatilhas de prata
era como acender cristais
numa noite muito escura,
e ia voando, tocando estrelas,
domando as nuvens,
rodando o mundo,
no meu circo clandestino.

Roseana Murray

23 de out de 2011




Tudo o que eu tinha pra te dizer...
Ficou amarrado no rabo do vento...

Se perdeu no tempo... que enfim passou!

Ficou preso na garganta... arranhando
minha fala insana... de línguas estranhas.

(Falas mansas... se decompondo... na solidão da sala...
de tristezas brancas... tantas!)

Se teceu na teia de silêncios das aranhas... virou arabescos...
Enevoados violáceos de incensos... tão intensos!

Ficou ribombando no peito... eco de um coração se debatendo...
Se moldando num casulo de medos.

Ah!... Tanto que eu tinha pra te dizer!!!
Antes... durante e depois de te perder...

MarciaDoM

22 de out de 2011




Nevoeiro

Hoje tua ausencia desceu sobre os telhados
como um nevoeiro fora da estação
denso e perturbador.

A mata se fechou nos seus queixumes
e pássaro algum ousou atravessar
a minha agonia silenciosa.
Nem a lua ociosa cintilou sobre os outeiros.

Ao longe, apenas o vento vem me contar que choras
que choras como eu, nossos sonhos esfacelados...
perdidos entre as estrelas e as areias...

£una

14 de out de 2011




Sabes o que notei em mim? Que a minha pele já não é como antes, que mudou sem que tenha descoberto uma ruga a mais. São sempre as mesmas rugas, as que tive aos vinte anos, só que cavadas, acentuadas. É um sinal, e de quê? De uma maneira geral, sabe-se onde isto nos leva: ao final. Mas além disso? Com que rostos vamos desaparecer, tu e eu? Não é envelhecer que me assombra, mas a desconhecida que sucede a uma desconhecida.

Ingeborg Bachmann

9 de out de 2011



E a música parou

Rabiscou partituras no corpo
e dançou como se fosse bailarina e menina
desejou ter o alcance do som
e pudesse estar em magia
e essa falta que ela sentia
pensou ser destino

onde anda aquele menino
que contava poesia pra ela?
e a melodia que vem da janela e ecoa na noite...

Esse vazio… Uma falta de pele… uma falta de jeito…
Não entendeu direito… mas seguiu ouvindo a canção
e no peito esse aperto de mão, te espremendo, tirando de mim
A canção que fala de amor, de alguém que no fim não voltou...

Rabiscou partituras no corpo e a música parou…

Mariana Gouveia

2 de out de 2011



O tempo da rosa

será que você vai me amar
depois de todo tempo que passar?
quando eu estiver vendo menos
quando estiver tremendo mais
quando a poesia for sendo prosa
quando as pétalas dessa tua rosa
for derrubada pelos ventos outonais?

Cáh Morandi